Ponto das 14 horas

Assegurado na estrada seca

apuro em multidão do pequeno mortal

destruíveis pela conversa interminável.

Pequeno passo ao lado do amigo,

de longe o quiosque rebocado e sem pintura.

Magoa borbulhava do pulmão de quem não vê;

estilete traçando escolha,

não faça isso, não mutila o seu coro

por deslizes cabalístico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s