Chão Batido

Tendo-se sentindo só do quarto obscurecido a falta de paz em gritos no corredor onde cresce sem dó e escorre pela parede babas de uma velha senhora entre transe carregando em mãos um terço.

Última hora.
Última fisgada.
Última oração.

Palpitadas você sentia quando seu amor esta afogado num drink fino alargando as cavernas da garganta.

Falo acordado e cheio de sombras um veludo roxo.

Anestesiado por uma flor consumindo as últimas e derradeiras migalhas.

Na mão um escorpião.

Na mão um dardo.

Na mão um cigarro.

Saio amedrontado entre rios e paisagens que sopra frio um vento destruidor.

Ela gritava acalentada por um sopro bem perto do teu ouvido dizendo para si os medos passaram despercebidos por aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s